sexta-feira, 19 de maio de 2017

POVOADO SERRA DO CATIMBAU RECEBE 50 UNIDADES HABITACIONAIS PELO PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇAO RURAL




Moradores do Povoado Serra do Catimabu, no município de Buíque pernambuco, vão ser beneficiados com 50 novas residências.
As moradias serão contruídas com recursos do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) - Minha Casa, Minha Vida, por meio de um financiamento da Caixa em parceria com a Prefeitura Municipal de Buíque. 
Essas são as primeiras residências do povoado a serem construídas na modalidade do PNHR.
O Ex-Vereador Melque do Catimbau mesmo tendo perdido as eleições por 76 votos continua trabalhando em pró daqueles que mais precisa.

Em parceria com o Prefeito do Município de Buíque, Sr. ARQUIMEDES GUEDES VALENÇA, e o Funcionário JOÃO BOSCO, (FUNASA), o ex-vereador MELQUE DO CATIMABU, está se empenhando juntamente com o Prefeito Arquimedes e o Secretário de Obras Lourenço Camelo, para proporcionar uma melhor qualidade de vida para as famílias que vivem abaixo da linha da pobreza.


Na tarde deste sábado (19), o mesmo realizou reunião com famílias do Povoado Serra do Catimbau, com a participação do Secretário de Obras Sr. LOURENÇO CAMELO, e o Funcionário da Funasa JOÃO BOSCO, no qual serão ofertadas 50 unidades habitacionais para as famílias que não tem uma casa para morar, e que residem em casas de taipas.


Também serão construídas mais 50 unidades habitacionais nas localidades dos Sítios: Baixa da Palmeira, Brejinho de Cima, Brejinho de Baixo, Morro das Cabras, Fazenda Velha, e Carnaúba. 

O Projeto conta com toal apoio do Prefeito Arquimedes, que junto ao governo do estado ofertara varias unidades habitacionais dentro do município. 


Esse é o primeiro modulo de 100 casas do Programa PNHR, vamos continuar trabalhando para alcançar todas as famílias que não tem uma moradia digna.
     

sábado, 28 de janeiro de 2017

Vale do Catimbau hoje no Programa Verão Nordeste as 14H - Rede Globo




O Vale do Catimbau Considerada Área de Extrema Importância Biológica, que  apresenta também registros de pinturas rupestres e artefatos da ocupação pré-histórica datados de pelo menos 6 000 anos. O Catimbau é considerado o segundo maior parque arqueológico do Brasil, perdendo somente para a Serra da Capivara, no Piauí. Um dos sítios arqueológicos mais importantes é o de Alcobaça, localizado em um paredão rochoso em forma de anfiteatro. As pinturas rupestres nesta localidade foram efetuadas por distintos grupos étnicos de épocas também distintas, apresentando diversidade nas técnicas e estilo de pintura. Dentro do parque há diversos pontos de visita, inclusive a Pedra Furada. Acredita-se que há milhares de anos o local onde fica a Pedra Furada era coberto pelo oceano e que a pedra se furou a partir da erosão causada pelo vento e pela água das chuvas. O vale do catimbau possui elevações com altitude de 900 metros. 

REDE GLOBO NORDESTE - PROGRAMA VERÃO NORDESTE

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Senadores têm regalias sem fim

Senadores têm regalias sem fim

Alvo de crítica da população, o Senado Federal oferece a seus parlamentares um cardápio variado de regalias. Cada senador tem direito à Cota para o Exercício da Atividade Parlamentar (CEAP), que pode chegar a R$ 45 mil por mês, a um exército de funcionários com rendimentos mensais de até R$ 22 mil, a despesas com paletó e a auxílio-moradia, entre outras benesses. Toda a regalia, custeada com dinheiro público, não leva em consideração o salário de R$ 33,7 mil.
Quanto à residência, os senadores que não ocupam apartamentos funcionais podem optar por um auxílio-moradia no valor mensal de R$ 5.500,00, com a finalidade de cobrir despesas com aluguel ou diária de hotel.
No total, 15 senadores receberam, no ano passado, auxílio-moradia. Ou seja, gasto mensal de R$ 82 mil com a despesa. No final do ano, o Senado pagou a bagatela de R$ 990 mil para hospedar essas 15 excelências.
Além desses parlamentares, outros 49 estão perfeitamente alojados em apartamentos funcionais na Asa Norte ou Asa Sul, bairros nobilíssimos de Brasília. Cada unidade custa, em média, R$ 2,2 milhões. Os 49 apartamentos, caso fossem vendidos, renderiam aos cofres públicos R$ 107,8 milhões.
O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), desfruta de uma mansão localizada no Lago Sul, outro bairro privilegiado da capital. Uma casa no local varia de R$ 4 milhões a R$ 20 milhões.
Para não sermos acusados de não falar das flores, um reduzido grupo de 16 senadores não recebe nem auxílio-moradia, nem imóvel funcional. Desses, três são do Distrito Federal: Antonio Reguffe (sem partido), Cristovam Buarque (PPS) e Hélio José (PMDB).
Em meio à crise econômica que desemprega 12 milhões de brasileiros, o Senado tem motivo de sobra para comemorar. Regalia não falta.

Barbas de molho – O centrão, grupo de 200 deputados federais, colocou as barbas de molho na reta final da campanha para presidente da Câmara. Órfão de um líder expressivo desde a queda de Eduardo Cunha, o centrão teme sair menor da eleição de 2 de fevereiro, quando Rodrigo Maia (DEM-RJ) deve ser reeleito presidente da Câmara. O líder do governo, André Moura (PSC-SE), minimiza a derrota. “O centrão ficaria enfraquecido se tivesse poder e viesse a perdê-lo”, diz. Mas aliados incentivam Jovair Arantes (PTB-GO) a desistir da candidatura. A ideia é evitar uma surra para Rodrigo Maia.
Crise penitenciária – Político rodado e com um currículo invejável, o deputado Carlos Cadoca (PDT-PE) monitora com preocupação a crise do sistema penitenciário, que protagoniza cenas de barbárie no País. Aliado do presidente Michel Temer, Cadoca não acredita que a crise afetará outras aéreas do governo. “Não creio que possa contaminar outras frentes de atuação”, afirma. Mas, segundo ele, a crise é “sem dúvida um enorme desafio para o governo”. O Palácio do Planalto tenta fazer varredura na Força Nacional de Segurança, ainda tomada por petistas. É um desafio e tanto para o presidente.
Sabotadores em cena – Ministros do presidente Michel Temer não escondem a insatisfação com os petistas infiltrados no governo. A Secretaria de Patrimônio, vinculada do Ministério do Planejamento, estranhou a seleção de matérias do clipping matinal encaminhado aos ministros, secretários-executivos e chefes de gabinete. No período Dilma Rousseff, não havia notícia com críticas ao governo. Com Michel Temer, há reportagens negativas praticamente todos os dias. Aliados cobram que o presidente realize uma faxina no governo.
Maia, o habilidoso – Antes pouco expressivo, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), mostra surpreendente habilidade na campanha à reeleição, o que surpreende até aliados. Prova da virtude, ele reuniu em torno de sua candidatura os tucanos Geraldo Alckmin (SP), Aécio Neves (MG) e José Serra, que se digladiam para definir o nome do partido que disputará a eleição para presidente da República. Com a ascensão de Maia, os três cobram apoio dele na eleição de 2018. Maia, no entanto, diz que o momento é de cuidar de questões econômicas.

Na mira da Interpol – O empresário Eike Batista entrou na lista “de difusão vermelha da Interpol”, juntando-se a outros 160 brasileiros na mira da Organização Internacional de Polícia Criminal. A inclusão do empresário, que ganhou notoriedade no governo do ex-presidente Lula, foi um pedido da Polícia Federal acatado pelo juiz Marcelo Bretas, da 7ª Vara Federal do Rio de Janeiro e responsável Operação Eficiência. Eike é acusado de pagar US$ 16,5 milhões em propina para uma organização criminosa chefiada pelo ex-governador do Rio Sérgio Cabral. Outros oito acusados, incluindo Cabral, tiveram a prisão decretada.
CURTAS
Amigos do rei – O deputado Rubens Bueno (PPS-PR) relembra que o empresário Eike Batista fazia parte do seleto grupo dos ‘amigos do rei’, em referência ao ex-presidente Lula. “Eike construiu uma fraude bilionária com a ajuda do PT”, diz Bueno. O grupo empresarial de Eike Batista irrigou várias campanhas do PT.
Viola desafinada – Os líderes do PSDB não se afinaram na homenagem ao ministro Teori Zavascki, morto em acidente aéreo. Aécio Neves (MG) soltou nota em apoio à família do ministro. Cássio Cunha Lima (PB) prestou condolências em seguida. Antonio Imbassahy (BA) foi o último. Foi uma ciumeira só.
Perguntar não ofende - O empresário Eike Batista foi avisado da operação da Polícia Federal que pediu a sua prisão?


Eduardo Campos “MORREU” porque sabia demais. Delatores vão contar tudo ao MPF

Apontado pela Polícia Federal como responsável por entregar propina de empreiteiras ao ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB) – morto em um acidente de avião, em agosto de 2014, durante a campanha presidencial -, o empresário João Carlos Lyra Pessoa de Melo Filho, conhecido como João Lyra, assinou acordou de delação premiada com o Ministério Público Federal (MPF).
O acordo ainda precisa ser homologada pela Justiça e João Lyra deve prestar depoimento nas próximas semanas. Além dele, também optaram pela delação Eduardo Freire Bezerra Leite e Apolo Santana Vieira. Os três empresários pernambucanos foram alvos da operação Turbulência, responsável por investigar o arrendamento da aeronave Cessna Citation PR-AFA que caiu em Santos e vitimou o então candidato Eduardo Campos.
O Estado apurou que além dos fatos envolvendo o avião, João Lyra negociou com os investigadores o detalhamento de todas as transações financeiras realizadas por seu grupo cujos valores são oriundos de superfaturamento de obras públicas e de esquemas envolvendo empreiteiras e o governo de Pernambuco.
Embora a operação Turbulência tenha origem na queda do avião, a PF compartilhou informações com a força-tarefa da Lava Jato em Curitiba e com o grupo de investigadores da Procuradoria-Geral da República. Para chegar aos verdadeiros proprietários do jatinho, a PF mapeou uma teia de empresas de fachada supostamente utilizadas para lavar e escoar dinheiro oriundo de obras públicas para campanhas políticas. Foram investigados repasses da Camargo Corrêa e da OAS que teriam origem em desvios praticados em obras da Petrobras em Pernambuco e na transposição do Rio de São Francisco.
Na denúncia oferecida pelo MPF contra 18 pessoas envolvidas no caso, o MPF apontou que os três empresários lideravam o grupo criminoso que lucrava com “a prática de agiotagem”, lavagem de dinheiro proveniente de superfaturamento de obras públicas e pagamento de propina para agentes públicos. Embora essa primeira denúncia tenha sido arquivada, a investigação prossegue em Pernambuco.
“A organização atuava por meio do controle de movimentações financeiras, tanto de empresas de fachada quanto do caixa paralelo de empresas em atividade, ora de maneira eventual, através da autorização de movimentações bancárias em nome de empresas coligadas à organização, ora de forma continuada, no caso das empresas gerenciadas pelos membros da organização”, explicou o MPF em sua denúncia contra João Lyra e outras 17 pessoas.
À época da deflagração da Turbulência, o Partido Socialista Brasileiro (PSB), do qual Eduardo Campos era presidente, reiterou a sua confiança na “conduta sempre íntegra do ex-governador” e o apoio incondicional ao trabalho de investigação da Polícia Federal e do Ministério Público, esperando que resulte no pleno esclarecimento dos fatos.” A Camargo Corrêa afirmou que a empresa foi a primeira a colaborar e que segue à disposição da Justiça. A OAS não retornou aos contatos da reportagem. 

Fonte: Cristal Vox

Tabelas de Valores de Salário Mínimo de 1994 a 2017

Foto via internet.

Julho 1994Lei nº 9069, de 1995
R$ 64,79
Setembro 1994Lei nº 9063, de 1995
R$ 70,00
Maio 1995Lei nº 9032, de 1995
R$ 100,00
Maio 1996Lei nº 9971, de 2000
R$ 112,00
Maio 1997Lei nº 9971, de 2000
R$ 120,00
Maio 1998Lei nº 9971, de 2000
R$ 130,00
Maio 1999Lei nº 9971, de 2000
R$ 136,00
Abril 2000Lei nº 9971, de 2000
R$ 151,00
Abril 2001Medida Provisória nº 2194-6, de 2001
R$ 180,00
Abril 2002Lei nº 10525, de 2002
R$ 200,00
Abril 2003Lei nº 10699, de 2003
R$ 240,00
Maio 2004Lei nº 10888, de 2004
R$ 260,00
Maio 2005Lei nº 11164, de 2005
R$ 300,00
Abril 2006Medida Provisória nº 288, de 2006
R$ 350,00
Abril 2007Lei nº 11498, de 2007 (MP nº 362, de 2007)
R$ 380,00
Março 2008Medida Provisória nº 421, de 2008
R$ 415,00
Fevereiro 2009Medida Provisória nº 456, de 2009
R$ 465,00
Janeiro 2010Medida Provisória nº 474, de 2009
R$ 510,00
Janeiro 2011Medida Provisória nº 516, de 2010
R$ 540,00
Lei nº 12.382, de 2011
R$ 545,00
Janeiro 2012Decreto nº 7.655, de 2011
R$ 622,00
Janeiro 2013Decreto nº 7.872, de 2012
R$ 678,00
Janeiro 2014Decreto nº 8.166, de 2013
R$ 724,00
Janeiro 2015Decreto nº 8.381, de 2014
R$ 788,00
Janeiro 2016Decreto nº 8.618, de 2015
R$ 880,00
Janeiro 2017                     Decreto nº 8.948, de 2016
R$ 937,00

69 cidades do Sertão de Pernambuco ganharão poços tubulares, Buíque, Afogados, Solidão e outras serão contempladas

Famílias que moram em áreas rurais do semiárido de Pernambuco iniciam o ano de 2017 com uma boa notícia. A Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e Parnaíba (Codevasf) assegurou R$ 6,1 milhões para perfuração e instalação de 160 poços tubulares, sendo 150 em rochas cristalinas e dez em rochas sedimentares, os quais vão levar água para pelo menos 1,5 mil famílias que convivem com a estiagem prolongada. O município de Buíque será um dos beneficiados [Veja a lista completa abaixo].

Os contratos já estão assinados pelo superintendente da Codevasf em Pernambuco, Aurivalter Cordeiro, e as obras começam no início deste ano em municípios do Sertão pernambucano. Parte dos recursos é oriunda do Orçamento Geral da União destinada à Codevasf por emendas parlamentares; outra parte é do programa do Governo Federal que visa à universalização do acesso a água em comunidades rurais difusas.
“Além da perfuração e instalação dos poços, são implantados bebedouros para dessedentação animal e reservatórios que funcionam como chafariz, que é onde os sertanejos que vivem no entorno do poço vão coletar a água”, explica o gerente regional substituto de revitalização de bacias da Codevasf em Petrolina, Maxwell Lima, engenheiro civil.

A água coletada pelas famílias possui múltiplos usos: além da sobrevivência dos rebanhos, é empregada na rotina de higiene doméstica, na manutenção de pequenos cultivos – como os de hortaliças e oleícolas – e, exceto nos casos em que é salobra, serve também para o consumo humano.

Confira a lista das cidades contempladas abaixo:

Afogados da Ingazeira, Afrânio, Águas Belas, Alagoinha, Araripina, Arcoverde, Belém do São Francisco, Betânia, Bodocó, Bom Conselho, Brejinho, Buíque, Cabrobó, Caetés, Calumbí, Carnaíba, Carnaubeira da Penha, Cedro, Custódia, Dormentes, Exu, Flores, Floresta, Granito, Iati, Ibimirim, Iguaracy, Inajá, Ingazeira, Ipubi, Itacuruba, Itaíba, Itapetim, Jatobá, Lagoa Grande, Manari, Mirandiba, Moreilândia, Orocó, Ouricuri, Paranatama, Parnamirim, Pedra, Pesqueira, Petrolândia, Petrolina, Quixaba, Salgueiro, Saloá, Santa Cruz da Venerada, Santa Cruz da Baixa Verde, Santa Filomena, Santa Maria da Boa Vista, Santa Terezinha,São José do Belmonte, São José do Egito, Serra Talhada, Serrita, Sertânia, Solidão, Tabira, Tacaratu, Terra Nova, Trindade, Triunfo, Tupanatinga, Tuparetama, Venturosa e Verdejante.

Todos os municípios contemplados com a perfuração/montagem e instalação de poços, objeto destes Termos de Referencia, estão situados no Estado de Pernambuco, dentro da área de abrangência da 3ª Superintendência Regional da CODEVASF.

Via Blog do Ivonaldo Filho