quarta-feira, 6 de dezembro de 2017


SEJA A PRIMEIRA PESSOA A ANUNCIAR A VENDA DE SEU VEÍCULO, NOSSO SITE POSSUI VARIAS OPÇÕES PARA VENDAS DE TODO TIPO DE VEÍCULO MOTORIZADO. 

1. REALIZE O CADASTRO NO SITE

2. APÓS REALIZAR, ANUNCIE DE QUALQUER PARTE DO BRASIL

3. ESCOLHA A OPÇÃO NA PARTE INFERIOR (GRÁTIS) 

DÚVIDA: 81. 9.9776-9316

terça-feira, 28 de novembro de 2017

Rayanne Vanessa: Conheça a cantora gospel que está na mira da MK

Até olheiros já mandaram para eventos com Rayanne, para acompanhar sua ministração





















A música gospel atual está passando por uma enorme transformação, o povo está buscando tirar do altar as chamadas “estrelas gospel” e em seu lugar, tem posto cantores de origem humilde, sem grandes vaidades e ostentações, e sobretudo, com uma mensagem evangelística.

Por consequência disso, nomes como Kemilly Santos, Sarah Farias, Alisson e Neide, Canção e Louvor, Samuel Mariano, tem ganhado cada vez mais espaço, sobretudo dentro das igrejas pentecostais. As próprias gravadoras gospel tem buscado se aproximar desse tipo de “artista”.

Não por acaso, a grande maioria dos artistas que correspondem a esse perfil, está no nordeste, e é justamente de lá, que saem os principais cantores e compositores que se destacam dentro do segmento pentecostal.

Uma fonte contou ao O Fuxico Gospel, que a MK, uma das principais gravadoras gospel do país, já está se preparando para outra grande contratação para o início de 2018. De olho nesse público pentecostal, recentemente a MK contratou a alagoana Sarah Farias, e agora está de olho em Rayanne Vanessa, uma cantora pernambucana que tem se destacado em todo nordeste




Rayanne Vanessa é daquelas cantoras que levam a igreja para um outro nível de adoração, não pelos trejeitos com o microfone, ou pelas técnicas vocais, mas pela simplicidade com que ministra o louvor.
Figura presente em diversos congressos, eventos de mocidade e circulo de oração, a cantora não para. Natural da cidade de Água Preta no interior de Pernambuco, Rayanne é membro da igreja Assembleia de Deus.

terça-feira, 7 de novembro de 2017

Moro marca audiências em ação contra Lula por sítio em Atibaia


O juiz federal Sergio Moro, responsável pelos processos da Operação Lava Jato em primeira instância em Curitiba, marcou para a primeira semana de fevereiro de 2018 os primeiros depoimentos de testemunhas no processo que apura se o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva recebeu propina de empreiteiras por meio de reformas no sítio Santa Bárbara, em Atibaia (SP), frequentado pelo petista e sua família.
No dia 5 de fevereiro, serão ouvidos o ex-gerente da Petrobras Eduardo Musa, o marqueteiro João Santana e a mulher dele, Mônica Moura. Dois dias depois, em 7 de fevereiro, prestarão depoimento os empresários Milton e Salim Schahin, o ex-executivo da Odebrecht Carlos Fadigas e o engenheiro Frederico Barbosa. Todos são testemunhas de acusação, arrolados pelo Ministério Público Federal (MPF). Além de Lula, esta ação tem outros doze réus.
Depois das testemunhas de acusação, serão ouvidas as testemunhas de defesa arroladas pelos acusados e, depois, os próprios réus. Lula relacionou 59 testemunhas para rebater a denúncia do MPF, segundo a qual ele foi beneficiado com 1 milhão de reais em benfeitorias na propriedade no interior paulista, custeadas por OAS, Odebrecht e Schahin.
Conforme a força-tarefa da Lava Jato, o dinheiro foi retirado, no caso da Odebrecht, de propinas de 128 milhões de reais em quatro contratos com a Petrobras; no caso da OAS, o dinheiro teria sido contabilizado em vantagens indevidas de 27 milhões de reais pagas sobre três contratos; já a “contribuição” da Schahin seria referente ao contrato de operação, pela empreiteira, do navio-sonda Vitória 10.000, da Petrobras.
O processo sobre o sítio de Atibaia será o terceiro em que Lula será julgado por Moro. O magistrado condenou o ex-presidente a nove anos e seis meses de prisão na ação penal referente ao tríplex do Guarujá (SP) e já concluiu as oitivas de testemunhas e réus em outro processo, em que o petista é acusado de ter recebido vantagens indevidas da Odebrecht por meio das compras de uma cobertura vizinha à de Lula em São Bernardo do Campo (SP) e de um imóvel que abrigaria o Instituto Lula, em São Paulo.

Moro nega suspender processo

No mesmo despacho em que marcou as audiências das testemunhas do processo sobre o sítio, Sergio Moro negou os argumentos da defesa de Lula que pediam a suspensão da ação penal e foram apresentados como resposta à denúncia do MPF.
O magistrado sustentou que a acusação “é no fundo singela” e que faltou aos advogados do ex-presidente “melhor esclarecimento” sobre a relação entre Lula e as reformas e benfeitorias na propriedade. “Para resolução do caso, não é absolutamente necessário determinar se Luiz Inácio Lula da Silva era o real proprietário do Sítio em Atibaia, bastando esclarecer se ele era ou não o real beneficiário das reformas”, explicou Moro.
O juiz federal ressaltou que o Ministério Público Federal não afirma, na denúncia, que recursos desviados da Petrobras foram “utilizados diretamente” nas reformas na propriedade. “O que a denúncia afirma é que, nesses contratos, havia acertos de propinas, que compunham um caixa geral de propinas do Partido dos Trabalhadores com o Grupo Odebrecht e com o Grupo OAS, sendo que parte delas foi utilizada para as reformas do Sítio em Atibaia”, explicou.
Ao negar a realização de perícias pedidas pela defesa de Lula para apurar se o dinheiro desviado da estatal foi usado nas reformas, Moro reafirmou que “os crimes de corrupção e de lavagem se configurariam, em princípio, quer os recursos tivessem ou não origem direta nos contratos”.

A defesa de Lula

Por meio de nota, o advogado Cristiano Zanin Martins, que defende o ex-presidente Lula, diz que Sergio Moro tem postura contraditória e não deveria ser o responsável pelo processo do sítio de Atibaia.
“A decisão deixa explícita que o juiz Sérgio Moro foi escolhido pela Força Tarefa da Lava Jato para processar a ação sem que haja qualquer vínculo efetivo do caso com supostos desvios em contratos da Petrobras (…) Ocorre que o Supremo Tribunal Federal já decidiu que para definir a competência da 13ª. Vara Federal Criminal de Curitiba é necessária a demonstração clara de vínculos reais com desvios em contratos da Petrobras, o que não se verifica no caso concreto, como admitido pelo próprio juiz”, argumenta Zanin.
Sobre as perícias negadas pelo magistrado, o defensor diz que “a garantia da ampla defesa está sendo desprezada”. “Ora, a rastreabilidade de valores é essencial na apuração dos crimes apontados na ação, como já decidido pelo próprio juiz em outras ações. A certeza de que o resultado da perícia será favorável à defesa não pode nortear o indeferimento da prova”, afirma Cristiano Zanin Martins.

segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Fantástico da Tv Globo pega no pé de Gonzaga Patriota por despesa com alimentação em Petrolina


O Deputado Federal Gonzaga Patriota (PSB-PE) foi um dos alvos de matéria do Fantástico da Rede Globo, neste domingo. A reportagem tratou de brasileiros que fiscalizam os gastos de parlamentares com itens como refeições acima da média, que costumam se reembolsados,  além dos vencimentos já pagos pelo contribuinte.
“Brasileiros de todo o país resolveram arregaçar as mangas para denunciar desvios de verba pública, concorrências suspeitas e gastos indevidos de governantes e parlamentares. O Fantástico acompanhou a rotina desses fiscais da corrupção e os resultados já alcançados”, destaca a matéria.
A reportagem mostrou exemplos em todo o país. E dá exemplos como a ONG Observatório de São José, que fiscaliza gastos de parlamentares. “Parte do mérito dessas iniciativas é não dispensar pequenas quantias”, diz o repórter Marcelo Canellas.
O repórter diz que qualquer cidadão pode fiscaliza as despesas com alimentação dos deputados disponíveis no Portal da Transparência da Câmara dos Deputados. Só que é muito complexo. Entra aí destaque para o grupo de brasileiros que montou a “Operação Serenata de Amor” para fiscalizar gastos públicos e denunciar abusos nas redes sociais.
Entra em destaque um recibo de despesas de Gonzaga Patriota no restaurante Geraldo do Bode Assado e o questionamento do repórter. “Mas porque um Deputado gastaria na cidade dele, nas férias dele, R$ 1.400,00 num restaurante que serve carne de bode?”
O recibo na verdade é de R$ 1.493,00, referente a refeições nos períodos de 1 a 15 de janeiro e 4 a 6 e 11 a 13 de fevereiro de 2011. “Minha residência é em Petrolina também, mas lá não tem quem faça comida”, explica Gonzaga quando perguntado.
“O senhor gastou R$ 1.400 no mês com carne de bode?” – Pergunta Canellas.       “Não é carne de bode, é almoço, janta, eu e minha família moramos aqui em Brasília . Quando chego lá em Petrolina faço refeição em Geraldo do Bode”, diz. “O senhor não vê nada de errado nisso ?” – pergunta o repórter. “Não, se eu tenho direito de fazer a refeição e ser reembolsado”, conclui Gonzaga.
Nill Junior

Sete Medidas Provisórias estão na fila de votação da Câmara

Prazo para as discussões em plenário termina no fim de novembro



A pauta do plenário da Câmara dos Deputados desta semana tem sete medidas provisórias na fila de votação. O número elevado de MPs levou a presidência da Câmara a convocar sessão deliberativa para esta segunda-feira (6) para adiantar as discussões. O prazo de cinco sessões para as MPs expira no fim de novembro.

Entre as medidas que trancam a pauta, está a que trata da participação da União em fundo de apoio à estruturação e desenvolvimento de projetos de concessões e parcerias público-privadas. Outra medida que pode ser votada com urgência é a que altera o Código de Mineração e estabelece um regime especial para exploração e aproveitamento das substâncias minerais.

Na área de infraestrutura também constam a medida provisória que cria a Agência Nacional de Mineração e extingue o DNPM (Departamento Nacional de Produção Mineral) e a que institui o regime tributário especial para as atividades de exploração, desenvolvimento e produção de petróleo e gás natural.

Ainda na sessão desta segunda-feira, está prevista a discussão da proposta de emenda à Constituição que altera prazos e a forma de apreciação das medidas provisórias pelo Congresso Nacional. A discussão em torno das MPS pode se estender para as sessões deliberativas de terça e quarta, que ainda não têm pauta definida.

Reforma da Previdência

Apesar de integrantes da liderança política e da equipe econômica do governo terem declarado que a prioridade da agenda legislativa deve ser a reforma da Previdência, a proposta que altera as regras de acesso à aposentadoria ainda não consta da pauta de votação do plenário.

A reforma da Previdência está paralisada na Câmara desde que a Casa recebeu do Supremo Tribunal Federal (STF) a primeira denúncia de crime de corrupção passiva apresentada pela PGR (Procuradoria Geral da República) contra o presidente Michel Temer no semestre passado.

O fato contribuiu para dispersar o apoio dos partidos da base aliada à proposta de mudanças na aposentadoria. Por se tratar de emenda constitucional, a reforma precisa de pelo menos 308 votos do total de 513 deputados para ser aprovada, em dois turnos.

Em audiência no Senado na semana passada, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reiterou que acredita que a reforma da Previdência possa ser votada ainda este ano. Ele deve participar de nova audiência na próxima quarta-feira (8), agora na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara para tratar do panorama da economia, dívida pública e novos projetos para o  PPI (Programa de Parcerias de Investimentos).

Autonomia para a Polícia Federal

Na  CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania), foi convocada uma reunião extraordinária para esta terça-feira (7) visando debater a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) que trata de mudanças na relação da Polícia Federal com o Poder Executivo. A PEC 412/09 propõe incluir no texto constitucional um artigo que prevê a edição de lei complementar com normas que garantam a autonomia funcional e administrativa da PF, que ganharia independência para elaborar sua proposta orçamentária.

Segundo o autor da proposta, deputado Alexandre Silveira (PPS-MG), o objetivo não é tornar o órgão independente do Ministério da Justiça, mas reorganizar a instituição e “proporcionar à Polícia Federal condições para exercer suas relevantes funções com imparcialidade e autonomia, sem que sofra pressões políticas”.

O relator da matéria na CCJ, deputado João Campos (PSDB-GO), emitiu parecer favorável à matéria e argumenta que “garantir a autonomia funcional, administrativa e orçamentária à Polícia Federal significa dar tratamento paritário” à Defensoria Pública, à Advocacia Pública da União e dos Estados e ao Ministério Público.

Em seu parecer, o relator diz ainda que o “status constitucional” da autonomia funcional e administrativa da PF pode garantir uma condição de órgão de estado e não mais de governo, e assim, desenvolver uma atuação “eficaz e isenta”.

Por se tratar de uma mudança constitucional, se o parecer for aprovado pela CCJ, ainda deverá ser analisado por uma comissão especial que deverá emitir outro parecer. Só então seguirá para apreciação do plenário da Câmara.

A CCJ pode analisar também o parecer favorável à PEC que pretende substituir as atuais polícias civis e militares por uma força policial única e desmilitarizar os corpos de bombeiros dos estados e do Distrito Federal.

A proposta também pretende reformular alguns cargos dos órgãos de segurança pública, além de atribuir às guardas municipais atividades de vigilância ostensiva da comunidade.

O relator da PEC na CCJ, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), elaborou parecer favorável ao conjunto da emenda constitucional, que também prevê uma reforma no sistema de persecução penal, permitindo ao Ministério Público requisitar diligências criminais aos órgãos policiais, além de realizá-las diretamente sob controle do Poder Judiciário.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

Goiás é o primeiro estado a receber Carteira de Habilitação Digital

Demais estados têm até fevereiro de 2018 para aderir a nova versão

Leia mais: https://oglobo.globo.com/brasil/goias-o-primeiro-estado-receber-carteira-de-habilitacao-digital-21933541#ixzz4viZzmYU4 
stest 



BRASÍLIA — O Ministério das Cidades lançou nesta terça-feira a Carteira Nacional de Habilitação Digital (CNH-e). O estado de Goiás é o primeiro a oferecer a nova versão. Os demais estados terão até fevereiro de 2018 para aderir ao novo sistema, seguindo determinação do Conselho Nacional de Trânsito (Contran). A CNH-e permitirá que os motoristas brasileiros utilizem o documento por meio de um aplicativo de celular, dispensando o uso da versão impressa no papel.

A Carteira de Habilitação Digital tem o mesmo valor do documento impresso, ou seja, vale como documento de identificação em todo o território nacional. Entretanto, os condutores que preferirem podem continuar utilizando a versão impressa.

Para o ministro da Cidades, Bruno Araújo, a CNH-e vai desburocratizar o processo de identificação, além de oferecer uma maneira inovadora de identificação:
— Hoje é mais fácil esquecer um documento em casa do que esquecer o celular. É bom lembrar que o documento físico, a carteira em papel, continua valendo, mas dá opção agora aos brasileiros poderem portar a sua carteira de motorista no celular — declarou o ministro.

Para a emissão da versão digital os motoristas devem ter na versão de papel um QR code, símbolo específico para ser lido por aparelhos eletrônicos que é impresso na parte de trás da CNH. Esse código servirá como certificado digital e armazenará todas as informações do documento.
Obtendo o QR code, o usuário deve baixar em seu celular o aplicativo, que será gratuito e terá o nome de CNH-e, e cadastrar-se no portal do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). O acesso ao aplicativo será por meio de um código de ativação, fornecido pelo Denatran, e de uma senha de quatro dígitos criada pelo portador do documento. O motorista só precisa estar conectado à internet na primeira vez que acessar o aplicativo, depois a CNH estará disponível no celular bastando apenas digitar a senha de quatro dígitos.

Para a emissão da versão digital os motoristas devem ter na versão de papel um QR code, símbolo específico para ser lido por aparelhos eletrônicos que é impresso na parte de trás da CNH. Esse código servirá como certificado digital e armazenará todas as informações do documento.
Obtendo o QR code, o usuário deve baixar em seu celular o aplicativo, que será gratuito e terá o nome de CNH-e, e cadastrar-se no portal do Departamento Nacional de Trânsito (Denatran). O acesso ao aplicativo será por meio de um código de ativação, fornecido pelo Denatran, e de uma senha de quatro dígitos criada pelo portador do documento. O motorista só precisa estar conectado à internet na primeira vez que acessar o aplicativo, depois a CNH estará disponível no celular bastando apenas digitar a senha de quatro dígitos.


Anvisa aprova medicamento para diabetes tipo 2

Registro do produto biológico Xultophy é inédito no Brasil e foi aprovado nesta segunda-feira (3) pela agência

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou, nesta segunda-feira (3), o registro de mais um produto biológico para tratamento de diabetes mellitus tipo 2. O registro do Xultophy, inédito no Brasil, foi publicado no Diário Oficial da União.
O Xultophy é indicado para o tratamento de adultos com diabetes mellitus tipo 2 e trata-se de um composto formado pela combinação entre a insulina degludeca e a liraglutida.
O medicamento, quando combinado com hipoglicemiantes orais, auxilia no controle glicêmico do paciente. O Xultophy atua em conjunto com outros hipoglicemiantes orais quando estes não fornecem o controle glicêmico adequado.
Medicamento genérico
Na última segunda-feira (27/3), a Anvisa aprovou o registro do genérico dapagliflozina, também utilizado para o tratamento de diabetes tipo 2. A medida é uma nova opção de controle glicêmico dos pacientes.
A substância é indicada junto a exercícios físicos e à dieta alimentar para melhorar o controle dos níveis de açúcar no sangue em pacientes com diabetes mellitus tipo 2. O medicamento genérico foi registrado pela empresa Astrazeneca do Brasil Ltda.
A dapagliflozina não deve ser usada no tratamento de pessoas com diabetes mellitus tipo 1 ou, ainda, no tratamento de cetoacidose diabética. O produto é contraindicado, também, caso o paciente tenha problemas renais ou doenças cardiovasculares.